Final Fantasy Type-0

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Final Fantasy Type-0

Mensagem por hawk666 em 08/05/12, 01:02 am


Nome:
Final Fantasy Type-0
Produtora: Square-Enix
Gênero: Action RPG
Plataforma(s): Playstation Portable
Versão analisada: Japonesa



Do zero


Final Fantasy Type-0 é o mais novo título da Square-Enix para PSP e o terceiro (segundo lançado) da franquia Fabula Nova Cristallis, a mesma de Final Fantasy XIII e do vindouro Final Fantasy Versus XIII.

Novo tipo


Type-0 pode ser considerado o "leite condensado" tirado do portátil da Sony. Texturas, iluminação, movimentação, expressões faciais, efeitos e outros detalhes, tudo de primeira linha e mais um daqueles jogos que carregam o slogan "Console de mesa, por favor". O visual artisticamente também é impressionante, com um detalhamento estilo europeu como base e um leque variado de localidades. Os defeitos do jogo são basicamente os inevitáveis serrilhados, a falta de sincronia labial, o reaproveitamento de alguns objetos e locais de The 3rd Birthday e os excessivos e longos loadings, que, se o jogador não quiser aturá-los, será preciso ter um bom espaço em seu memory stick para intalar os dois UMDs do título.

A parte sonora também não faz feio, com trilha orquestrada que combinam perfeitamente com cada ambiente, bons efeitos sonoros e um trabalho de dublagem impecável dos japoneses, passando todo o drama do campo de batalha e dos sentimentos dos personagens.

Uma classe de dois alunos


Type-0 é bem diferente dos Final Fantasies convencionais, trazendo uma trama bem madura, obscura e séria, não se importando em limitar o público aos mais velhos para isso.

O jogo também não apenas aproveita novamente da mitologia nórdica, como também introduz parte da cultura chinesa, usando nomes dos guardiôes celestiais para representar os quatro cristais, por exemplo.

A narrativa carrega um dilema: apesar de ter um bom enredo com reviravoltas, revelações e acontecimentos chocantes, além de um interessante sistema onde a primeira jogatina se trata da guerra e o new game + dos protagonistas, o jogo não consegue contar a história de forma clara e dinâmica, colocando muitos takes de câmera e diálogos inúteis no lugar de informações importantes, estas encontradas em forma de textos em enciclopédias internas do jogo.

O jogo possui um grande elenco, tendo, apenas com os protagonistas, 14 personagens, todos eles bem trabalhados em questão de background e a maioria simpáticos. Infelizmente o jogo é mais um daqueles trabalhos onde só há número, já que a história em si só roda ao redor de dois protagonistas, fazendo com que os outros, por mais bem trabalhados que sejam, não se diferenciem muito de estarem lá ou um NPC estar no lugar.

Reprise do aniversário


Type-0, analisado por alto, é herdeiro de 3rd Birthday, também da Square-Enix. O jogo, além do já citado reaproveitamento de objetos e localidades, aproveita também do design pobre e linear das dungeons, o sistema de "Breaksite" e "killsite" que equivalem ao sistema de Overdive, que por sua vez trabalha como uma espécie de mistura entre contra-ataque, quebra de defesa e ataques críticos, e o sistema de câmera e lock-on (esses dois últimos, pasmém, um dos melhores resultados já alcançados para o portátil).

As dungeons, como dito acima, são bem pobres em questão de design, já que são, basicamente, um punhado de salas interligadas, cada uma com uma porção de inimigos, algo bem similar ao de Resonance of Fate, tactics da Tri-Ace. Mas, ao contrário de um tactics e de um jogo de tiro feito The 3rd Birthday, esse é um RPG que leva em consideração o fator exploração, no final das contas. O jogo chega ao ponto de repetir as mesmas salas durante uma mesma dungeon, algo quase inacreditável se tratando de um título de qualidade técnica tão alta quanto Type-0. Ao menos o que deve ser feito dentro delas é bem variado, indo desde mudanças de situações, de gameplay e até a sub-missões opcionais no meio das batalhas, amenizando consideravelmente a sensação de mesmice. Outro fator negativo fica por conta dos tesouros, já que são basicamente pontos brilhantes espalhados por aí, uma péssima idéia para um título com serrilhados jogado em uma telinha de portátil, fazendo o jogador perder tempo e atenção desnecessária pelos cantos.

Um dos destaques em questão de variação fica por conta das partes de estratégia em tempo real, onde o jogador precisa ajudar tropas aliadas a invadir cidades inimigas, mudar rotas de invasão e proteger fronteiras. A idéia é boa e dá um ar novo ao jogo, mas não é muito bem aproveitada, tendo pouquíssimas missões com o sistema, e desse número escasso, nenhum é preciso usar muito a cabeça ou os reflexos.

As batalhas são baseadas no estilo action-RPG de Kingdom Hearts, ou seja, lutas rápidas e baseadas mais em reflexos, mas adaptadas sem um botão de pulo. O jogo conta com 14 personagens diferentes para o jogador escolher, podendo formar um grupo de 3 deles e alternar durante o jogo. O interessante é que cada personagem possui um estilo de luta completamente diferente do outro, dando ao jogador a opção de concluir as missões de formas diferentes, dependendo apenas dos personagens usados. O jogo também conta com uma dificuldade bastante elevada e ênfase na morte, já que uma vez morto, o personagem em questão não pode mais ser usado até a próxima missão. Type-0 inclui até mesmo um interessante sistema de líderes de inimigos, onde, uma vez derrotados, os subordinados da área se rendem, cabendo ao jogador decidir se quer matá-los ou pegar seus mantimentos. Os summons estão presentes também nesse título, e finalmente acertaram a mão no fator balanceamento: Eles são poderosíssimos e podem decidir batalhas difíceis, mas "custam" caro, já que é necessário o sacrifício de um personagem em batalha para entrarem em campo por um minuto. Após dar sua vida, o personagem dá lugar para o jogador controlar uma das poderosas bestas presentes no jogo. Apesar de ter dezenas deles, eles são escassos em variedade, já que os números são basicamente o mesmos summons em formas diferentes.


Após derrotar os inimigos, além da experiência, o jogador tem a opção de drenar de seus corpos itens e o Phantoma, que seria uma espécie de alma, usados para evoluir magias, como melhorar o tempo de conjuração, custo de MP e alcance, por exemplo. Apesar da S-E ter melhorado consideravelmente o sistema a partir da demonstração disponível na PSN meses antes do lançamento, drenar phantomas continua sendo desconfortável, já que é preciso estar com a mira presa em um inimigo, o corpo não permanece pra sempre e pra piorar, uma vez fora da mira, há uma certa dificuldade em voltar para o cadáver, já que o jogo dá prioridade para alvos vivos. A experiência também sofre de uma falta de ganho para personagens que não estão no grupo principal. obrigando o jogador a parar para aumentar o nível geral dos protagonistas dependendo da missão que estiver.

Quando se fala de inteligência artificial, o jogador se dá mal. Os personagens do grupo praticamente só servem para curar o jogador quando seu HP estiver baixo, pois se tratando de ataque, eles são extremamente passivos, ao contrário da IA dos inimigos. Se já não bastasse, eles também costumam não sair muito do lugar durante as lutas, o que é uma dor de cabeça em batalhas difíceis onde um golpe pode ser fatal e cada membro da equipe é valioso. Isso tudo infelizmente não pode ser evitado, pois não há qualquer tipo de opção de configuração.

Type-0 é dividido em duas etapas: as missões, onde ocorrem as batalhas, e a parte de vida escolar, onde o jogador tem um tempo limite para fazer diversas coisas, como side-quests, treinamento e exploração, algo bem próximo de Luminous Arc 3: Eyes (Nintendo DS). O sistema, baseado em administrar seu tempo, seria interessante se não fosse desgastante e cansativo. O jogo não oferece nenhum tipo de ajuda mostrando se algum local da escola possui algum evento naquele momento, necessitando, a cada término de missão, explorar os quatro cantos do local. Sem um guia, o jogador vai perder mais tempo checando por novidades que aproveitando as novidades em si. As side quests possuem um problema extra, a de só ser possível concluir uma por vez, uma infeliz e desnecessária idéia em um jogo baseado em deadline.

O jogo também possui um overworld, que é basicamente os clássicos world maps misturados com as áreas intercaladas de Final Fantasy XII. Infelizmente isso não funciona direito em Type-0, já que é preciso voltar constantemente para a escola, a única "base" do jogo, e há formas limitadas de transporte disponíveis, fazendo com que ficar percorrendo os mesmos e demorados terrenos repetidas vezes se torne frustrante e desgastante. Ao menos isso é compensado com dezenas de áreas extras que vão ficando disponíveis ao longo do tempo. O ponto positivo fica por conta dos chocobos, voltando com o sistema de captura e cruzamento de Final Fantasy VII (mas muito mais simplificado e agradável), podendo usá-los para evitar batalhas, viajar mais rápido e até mesmo na parte de estratégia em tempo real.

A interface do jogo também não é das melhores, como o do sistema de evolução, que em funcionalidade é como o Sphere Grid ou o Cristarium, mas falta dinamismo: o jogador perde mais tempo passando mensagens e respondendo confirmações de comando que pensando em administrar os pontos em si. Os menus dos personagens também sofrem da falta de praticidade, necessitando selecionar um personagem por vez ao invés de haver um botão para alternar entre eles, o que é um tanto incômodo em um jogo onde há muitos personagens e geralmente é preciso prepará-los para serem usados constantemente.

Irmãos no exército


Type-0 conta com uma main quest que dura cerca de 30 horas, e 50 se considerar terminar o jogo duas vezes, pois o new game + não libera apenas mais história, como também missões principais alternativas e outros extras exclusivos para a segunda rodada. Com todas as side-quests, locais e extras, o total pode passar facilmente de 100 horas. O jogo também possui um sistema offline com bots e online cooperativo, onde o jogador pode ajudar outros ou ser ajudado temporariamente no meio das missões.

Sete ponto Zero


Final Fantasy Type-0 seria excelente, se os produtores não pisassem feio na bola em alguns pontos e se dedicassem mais em outros. Um bom passatempo, mas muito distante de estar até mesmo entre os melhores JRPGs dessa geração, que é até o momento a mais fraca do gênero.


Nota:
7



Texto originalmente publicado no Jogador Pensante
avatar 
hawk666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por Sir Greg em 09/05/12, 11:39 am

Esse é um game que faz meus dedos coçarem só de pensar em jogar. Joguei uma demo do jogo e o mesmo tem tudo pra ser um grande game da série. Só não comecei a jogar ele pra valer ainda porquê estou esperando a versão inglesa (e não manjo nada de japonês por sinal). Smile
avatar 
Sir Greg

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por Whitewolf em 09/05/12, 11:42 am

Eu tambem Greg!!! Só não baixei ele ainda pelo mesmo motivo! Wink
avatar 
Whitewolf

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por djcoston em 09/05/12, 06:09 pm

Vocês deveriam começar a aprender japonês, eu entendo um pouco de hiragana e katakana só de jogar games! Tongue
avatar 
djcoston

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por MrLinx em 09/05/12, 07:42 pm

Realmente ando precisando aprender japa, tem muitas perolas que só ficaram no Japão :x .
avatar 
MrLinx

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por Whitewolf em 09/05/12, 08:00 pm

Sei não, sem aula particular soh de jogar fica difícil! Ainda mais que aki onde eu moro nem tem lugar que ensina Japa! Soh em BH!! Tongue
avatar 
Whitewolf

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por djcoston em 09/05/12, 08:11 pm

Claro que pra aperfeiçoar o curso é sempre bem vindo, mas tem muita gente que conheço que aprendeu inglês jogando videogame, porque com japonês seria diferente?
avatar 
djcoston

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por Whitewolf em 09/05/12, 08:55 pm

Pois eh Eric eu inclusive sou um dos q aprenderam ingles jogando Harvest Moon!! Laughing
Porém acho os caracteres japoneses bem mais complicados!! Se fosse soh escrita tava fácil!! Wink
avatar 
Whitewolf

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por Gigas em 09/05/12, 09:18 pm

Eu tomei coragem pra aprender japa no velho estilo "guerreiro", só tenho consciência que não posso ter pressa, daqui a uns 6 ou 10 anos poderei jogar o Type-0 bem capenga, haha

Jogos que só preciso manjar do Menu e que tem um FAQzinho pra ajudar já dá pra ir, não é tããão difícil. (E os números ajudam um bocado whistle )
avatar 
Gigas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por MrLinx em 09/05/12, 09:53 pm

djcoston escreveu:Claro que pra aperfeiçoar o curso é sempre bem vindo, mas tem muita gente que conheço que aprendeu inglês jogando videogame, porque com japonês seria diferente?

Concordo. Aprender um novo idioma é algo que leva um tempo ainda mais se for sozinho, mais como muitos eu aprendi inglês através de RPG's e até hoje não é perfeito mais já está em um ótimo nível pra quem aprendeu tudo sozinho. Wink
avatar 
MrLinx

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Final Fantasy Type-0

Mensagem por Conteúdo patrocinado

 
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum