The Legend of Heroes VII: Trails of Zero

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

The Legend of Heroes VII: Trails of Zero

Mensagem por hawk666 em 10/08/12, 05:47 am



Nome:
The Legend of Heroes VII: Trails of Zero
Produtora: Falcom
Gênero: JPRG
Plataforma(s): Playstation Portable, PC (apenas na China)
Versão analisada: Japonesa



Uma nova trilha



The Legend of Heroes VII: Trails of Zero (Eiyuu Densetsu VII: Zero no Kiseki no Japão) é o primeiro jogo da saga Crossbell, que por sua vez, faz parte da sub-série Trails, a mesma da trilogia "The Legend of Heroes VI: Trails in the Sky". O jogo se passa alguns meses após a trilogia anterior, e em outro país.

Começando do zero?



Trails of Zero é o primeiro jogo da série a aparecer exclusivamente no Playstation Portable (existe um port para PC, apenas na China) Mas não é porque ele deixou de ser feito para PC que a qualidade caiu, muito pelo contrário.

O jogo conta com cenários poligonais e câmera fixa, fazendo com que o fenomenal trabalho artístico fique em evidência. O título possui muitas pegadas de câmera que fazem os belos cenários de fundo aparecerem, assim como todos os minunciosos detalhes do ambiente, Tecnicamente, Trails of Zero de certo não é o melhor trabalho comparado a títulos de empresas grandes, mas apesar de básico, o resultado é bem satisfatório, com a presença discreta de serrilhados (o inimigo natural do portátil), loadings rápidos e elementos 2D bem detalhados, com movimentação fluida.

A trilha sonora de Trails of Zero possui mais de 70 faixas de alta qualidade e de grande variedade, indo do rock à orquestrada, tudo dependendo da situação. Até então, a sonoplastia do jogo é o melhor trabalho da Falcom, produtora que sempre deu bastante atenção a essa área em seus jogos.



O jogo conta ainda com algumas cenas e situações dubladas. Mas esse aspecto de jogo é tão raro que acaba sendo mais um ponto negativo que positivo, pois ver um momento dublado a cada 100 dá a impressão de que não fizeram mais para cortar custos.

Story RPG



Falcom, a produtora do jogo, faz questão de chamar Trails of Zero de "Story RPG". E essa obsessão não é a toa.

Trails of Zero conta a história de Lloyd Bannings e seus colegas da "S.S.S.", ou "Seleção Especial de Suporte ao cidadão", divisão da polícia de Crossbell, uma cidade independente de Zemulia, o mesmo continente por onde se passou a trilogia Trails in the Sky. Crossbell passa uma sensação no mínimo interessante de "anos 60" e tecnologia atual em um mesmo ambiente.

O jogo tem basicamente dois pontos de narrativa: enquanto de um lado o jogador é apresentado ao dia-a-dia da divisão, resolvendo casos e se aprofundando em relacionamentos sociais, do outro é apresentado todo o background do jogo, a densidade da trama e as extensões colossais proporcionadas pelo universo "Trails". Esses dois aspectos, que de início parecem até distintos, aos poucos vão se encontrando e se entrelaçando ao longo da jogatina, resultando em uma narrativa mais próxima de outros meios de entretenimento e literatura, e tão bem executada quanto.

O enredo de Trails of Zero é outro ponto a ser destacado, pois é bem diferente das tramas convencionais do gênero. Devido ao tema, algumas mecânicas de jogo e a ambientação, o jogo puxa a história muito mais para um thriller policial que para fantasia. Os mistérios, os pensamentos dos personagens, a quantidade massiva de informações apresentadas e abordagem de diversos temas políticos reais como corrupção e envolvimento de líderes estatais com o crime organizado não apenas fazem o jogador mergulhar de cabeça nos acontecimentos, como também o faz pensar as vezes que está jogando algo de outro gênero, como o point-and-click e seus jogos de detetive, ou mesmo outra mídia, como um seriado para a televisão, de tão denso e bem detalhado que o título é.

Em termos de personagens, o título com certeza não passa por dificuldades. Trails of Zero tem um elenco com dezenas de personagens, desde jogáveis a NPCs menos importantes. Além de todo o sólido background apresentado para os principais e personalidades bem trabalhadas para toda a trupe, o jogo carrega um interessante sistema, onde o jogador escolhe se quer saber mais sobre os habitantes de Crossbell - constantemente o jogo oferece cenas, situações e falas únicas para uma passagem limitada de tempo da trama, e se o jogador quiser obter mais detalhes sobre algum assunto ou do cotidiano de alguém, é preciso estar sempre atento ao redor, conversando com as pessoas e/ou realizando tarefas sempre que possível.

Apesar de ser uma nova trama, Trails of Zero exige uma noção básica da trilogia Trails in the Sky, se não quiser ficar por fora de inúmeros eventos envolvendo personagens e situações da mesma.

A luta da S.S.S.



Trails of Zero é um JRPG que se desenrola basicamente dentro da cidade de Crossbell e seus arredores. Ao contrário de Trails in the Sky First Chapter, onde a progressão era um tanto linear e limitada, em Trails of Zero o jogador pode andar livremente por todas as áreas do jogo, uma vez que as mesmas são liberadas, fazendo com que o jogador tenha um controle melhor de exploração e andamento de jogo.

O jogo é basicamente uma ligação de várias localidades, que divididas em três distintas, são elas: dungeons, estradas e Crossbell/vilas. As dungeons são uma das principais atrações do jogo - além de numerosas e de boa duração, todas elas possuem um excelente design, proporcionando um bom desafio e sensação de exploração. As estradas também possuem seus pontos positivos, pois são basicamente dungeons mais curtas e simples, sendo possível até mesmo encontrar itens caídos no caminho através de pontos brilhantes. Já para as vilas/cidade, o destaque vai para a própria Crossbell e sua imensidão - o tamanho dela chega até mesmo a assustar os jogadores de início, e é preciso um bom tempo para finalmente decorar os principais pontos dela. Para se ter uma idéia, o tamanho dela é equivalente a todas as cidades presentes em Trails in the Sky, juntas. Felizmente, para tudo isso existem sistemas de fast travel: as estradas possuem pontos de ônibus para cortar longas caminhadas, assim como Crossbell possui um menu que possibilita "pular" de uma área da cidade para outra, apenas selecionando seus respectivos nomes.

Um dos maiores diferenciais da série Trails é o sistema de pontuação. Em Trails of Zero, de tempos em tempos o jogador é apresentado a situações que necessitam tomar uma atitude, que variam desde explorar áreas e interrogar personagens fora do que é exigido pela missão a deduzir algo, organizando informações colhidas através de palavras-chave durante investigações. O resultado dessas escolhas não somente alteram algumas conversas posteriores a esses eventos, como também recompensa o jogador que tomar as decisões certas com pontos extras ao término de cada missão, que por sua vez, concedem itens exclusivos ao acumular uma certa quantia. Paralelo a esse sistema, existem também momentos em que Lloyd precisa escolher um de seus colegas para fazer algum tipo de atividade. Aprofundar a relação com alguém, além de conceder uma habilidade combinada exclusiva entre os dois, revela também mais detalhes sobre o personagem escolhido. Ao contrário do que parece, esse sistema não leva o jogo para o lado dos "sim dates", pois tem intuito de apenas explorar melhor os personagens.

O sistema de batalhas é um híbrido de Tactics tabuleiro com o clássico sistema de turnos do gênero. Em um campo retangular, o jogador pode mover os personagens através de pequenos quadrados e realizar diversas ações, como atacar, usar magias, habilidades ou mesmo fugir. O sistema em si é simples e não apresenta nada inovador, mas é muito bem executado. Existe uma barra no canto da tela representando a ordem de ação de todos que estão na arena. Junto a essa barra, corre paralelamente outra barra com vários bônus de batalha - quando um bônus coincide com o turno de alguém, o mesmo é ativado. O interessante é que esses bônus, que são coisas como recuperação de HP e dano crítico, podem ser usados tanto pelos personagens quanto pelos monstros, exigindo assim táticas adiantadas e muito jogo de previsões. Aspectos básicos do gênero como esquivar e acertar golpes se tornaram mais importantes que o normal em Trails of Zero, já que um golpe que não acerta o oponente automaticamente ativa um contra-ataque do mesmo, dando ainda mais ênfase a trocas de equipamentos e uso de magias e habilidades de suporte.

A diculdade do jogo é outro ponto bem executado. O balanceamento de poder de crafts e arts, as habilidades e magias respectivamente, é muito bem acertada, fazendo com que todos os personagens usáveis sejam igualmente úteis, mas ao mesmo tempo bem diferenciados. Além disso, o jogo é daqueles títulos onde quem aproveita mais do que o mesmo tem a oferecer, sofre menos em lutas decisivas. Para aqueles que fazem tudo e mesmo assim querem passar por apuros, o jogo oferece diferentes níveis de dificuldade antes de começar um novo jogo.

Para o sistema de customização, o jogo oferece uma variedade de opções: Os equipamentos podem ser comprados, melhorados com um material especial ou até mesmo forjados através de itens diferentes. Além do básico, há também o sistema de Orbment - nele, o jogador pode equipar quartz, pedras preciosas que possuem uma cor e uma propriedade cada, como pedras vermelhas que aumentam a força ou pedras azuis que aumentam o HP, por exemplo. O sistema não concede apenas aumento de status e habilidades de forma bruta, como também é a chave para a utilização de arts, as magias do jogo. O número, variedade e poder das arts dos personagens dependem de vários fatores: quantidade, cor e mistura de quartz na Orbment. O que deixa cada personagem ainda mais único é o fato de cada um ter uma Orbment diferente, como um deles que permite várias pequenas combinações, ou outro que exige que dois slots sejam usados para quartz azuis, por exemplo. Tudo isso faz com que a customização seja minunciosa e não fique empacada em apenas um modelo, pois os status, habilidades e arts bons para um personagem ou situação pode não ser bom para o restante.

O trabalho de hoje:



Trails of Zero tem uma duração média de 40 horas sem contar nenhum extra. Para quem quer fazer 100% do jogo, são garantidas mais de 100 horas de jogatina.

Além das missões de main quest, o jogo apresenta inúmeras side-quests, essas também bastante variadas, como matar monstros mais fortes ou buscar livros emprestados para a biblioteca da cidade. Assim como nas missões principais, as side-quests também utilizam o sistema de pontos.

O jogo possui também diversas atividades opcionais, como alimentar um gatinho e ganhar quartz raros em troca, trazer oferendas para um santo em troca de itens, enviar relatórios de monstros (completar o bestiário) para o quartel general em troca de dinheiro e itens, e até mesmo um cassino, citando algumas das inúmeras coisas que podem ser feitas.

Um dos pontos mais interessantes dos extras do jogo é o fato de ter muito conteúdo escondido nele, como conversas, side-quests, cenas e personagens, que o jogador só poderá ver se estiver no lugar certo, no momento certo, incentivando ainda mais a exploração dos quatro cantos do jogo.

O título tem ainda um sistema interno de conquistas, similar ao sistema de troféus do Playstation 3. É interessante notar que esse sistema é muito melhor executado que os de consoles de mesa, já que cada feito concede pontos, e com esses pontos, o jogador pode destravar diversos extras, como galeria de imagens, minigames e elementos que podem ser carregados para um "New game plus".

Para completar, o jogo incentiva o New game plus de diversas formas. As duas principais seriam uma dungeon extra, disponível apenas na segunda rodada, e os eventos exclusivos de relacionamento entre Lloyd e um dos membros da divisão, que são ao todo três personagens e um por rodada.

O relatório do dia



The Legend of Heroes VII: Trails of Zero é o que todo fã de JRPG queria nessa geração: Gameplay sólido, amplo e prazerosamente bem balanceado, somado a um enredo com narrativa impecável, história incomum e muito intrigante, personagens com profundidade e um universo complexo, mas muito bem explorado. Muitos jogadores temem pelo futuro do gênero, mas, enquanto a Falcom se preocupar em fazer títulos desse nível, não haverá razão para preocupações.

Nota: 10



Review de Trails of Nayuta

avatar 
hawk666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Legend of Heroes VII: Trails of Zero

Mensagem por DeathMaster em 10/08/12, 02:48 pm

Ótimo review hawk666, estou com ele aqui ainda pra ser jogado mas nem joguei o Trails in the Sky SC Laughing .
Depois de terminar Zero e Ao você irá fazer Review do Ao também?
avatar 
DeathMaster

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Legend of Heroes VII: Trails of Zero

Mensagem por hawk666 em 10/08/12, 11:43 pm

DeathMaster escreveu:Ótimo review hawk666, estou com ele aqui ainda pra ser jogado mas nem joguei o Trails in the Sky SC Laughing .
Depois de terminar Zero e Ao você irá fazer Review do Ao também?

Obrigado, DeathMaster!

Vou fazer a do Ao sim, já to rejogando ele, aliás.
avatar 
hawk666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Legend of Heroes VII: Trails of Zero

Mensagem por djcoston em 11/08/12, 05:07 pm

Certeza que esse é um dos melhores games para PSP.
avatar 
djcoston

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Legend of Heroes VII: Trails of Zero

Mensagem por Conteúdo patrocinado

 
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum