Games: Cultura, arte e perda de tempo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por hawk666 em 12/05/12, 10:05 pm

"De novo jogando? Para de perder tempo com isso!” - essa é, com certeza, a frase que todo gamer já ouviu ao menos uma vez na vida. Mas afinal, games são ou não uma verdadeira perda de tempo? Será que esse meio de entretenimento que tanto amamos é todo esse veneno social que parte da população tanto quer nos fazer acreditar?


Ghostbusters - Continuação da franquia apenas nos videogames.

Todas as pessoas possuem passatempos (ou quase todas), afinal, a sociedade atual é tão atarefada que é muito fácil ficar sem tempo e se estressar, e se desligar de suas obrigações têm se tornado cada vez mais vital para o ser humano. Passatempos, ou hobbies, variam de pessoa para pessoa, que passa desde leitura de livros e passeios em parques a praticar algum esporte ou qualquer outra atividade com outras pessoas.


“Assistir televisão ou ouvir música é tão perda de tempo quanto videogames” – é o que muitos podem pensar ao ler o parágrafo acima. Se é verdade ou não, cabe a cada um de nós decidirmos, até porque esse texto não tem como intuito dizer qual entretenimento é melhor e qual é o pior, e sim mostrar para todos, desde leigos preconceituosos a gamers inseguros, que games não são uma simples “perda de tempo para nerds”.


Bem-vindo, caro leitor, ao atual e maravilhoso mundo dos games!


Bioshock (PC, PS3, 360)

Com a constante evolução da tecnologia e da indústria de videogames, os mesmos deixaram de ser o passatempo simples, que exercita apenas os instintos humanos (coordenação, lógica e etc) para algo mais complexo, que mistura muitas outras mídias e meios para oferecer ao consumidor um verdadeiro coquetel do entretenimento.


Castlevania: Lords of Shadow (PS3, 360)

O consumidor pode conhecer obras famosas através de games, como em Enslaved (Review 1 2) (Playstation 3, Xbox 360), onde a fonte principal do jogo vem de “Jornada para o oeste”, o romance chinês mais famoso do mundo, ou mesmo conhecer Frederic Chopin e seus últimos momentos em Eternal Sonata (Playstation 3, Xbox 360), além de, é claro, apreciar boa parte das composições de um dos pianistas mais famosos do mundo.


Enslaved (PS3, 360)

Podemos conhecer também ambientações e fatos históricos, como velho oeste através de Red Dead Redemption (Playstation 3, Xbox 360) e sua perfeita recriação da época, ou mesmo apreciar a bela Itália renascentista de Assassin's Creed 2 e Brotherhood (Review) (PC, Playstation 3, Xbox 360).


Red Dead Redemption (PS3, 360)

Os videogames não se limitam apenas a trazer obras já prontas, como também podem ser o meio perfeito de criá-las, como os poemas abstratos FloW (PSP, Playstation 3) e Flower (Playstation 3), onde versos e parágrafos estão no gameplay, e o eu lírico dos poetas digitais estão, literalmente, em suas mãos.


Flower (PS3)

E não só de informação os videogames são ricos, como também de muito trabalho artístico, como podemos ver em 3D Dot Game Heroes (Playstation 3) que faz alusão a esculturas com peças de lego e derivados, além de recriar os games através do próprio game. Podemos apreciar também o estilo gráfico gravurista de Okami (Playstation 2, Wii), de tecido em Kirby Epic Yarn (Wii) e o trabalho em aquarela de Valkyria Chronicles (Playstation 3), além de inúmeras composições musicais orquestradas, como em Castlevania: Lords of Shadow (Review) (Playstation 3, Xbox 360).


Okami (PS2, Wii)

Para finalizar, temos os games que vão mais além e tentam romper barreiras, como Heavy Rain (Playstation 3), que pode ser considerado um jogo, um filme interativo e até mesmo o equivalente ou evolução de outras mídias e veículos digitais de literatura e entretenimento, como os e-books e os visual/graphic novels.




Heavy Rain (PS3)

E o que podemos concluir com tudo isso? Que games são um meio em constante evolução, e o consumidor só tende a ganhar com isso. A cada dia temos uma fonte cada vez mais rica e completa, onde o limite é, cada vez mais, a ignorância, o preconceito, a curiosidade e a vontade de quem segura o controle em querer que seu hobbie seja considerado ou não uma perda de tempo.


avatar 
hawk666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por gizellechan em 12/05/12, 11:45 pm

Adorei o post, hawk!

Fica aí uma boa reflexão, em especial para as mentes preconceituosas Razz
avatar 
gizellechan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por MrLinx em 13/05/12, 09:28 am

Belo texto, Hawk. Razz
Eu acho que existem jogos que são tão bons que são como se fossem a união de um bom livro, as belas músicas de uma orquestra, os personagens de um grande filme e o visual de obras de arte( é claro que não são todos). Só que a vantagem dos game's é que alem de reunir tudo isso em adicional dão interatividade ao jogador, permitindo que ele interaja com todos os atributos existentes ali.
É interessante pois existem pessoas que adoram Caverna do Dragão, mais quando veem o RPG Dungeons and Dragons ficam abismados e dizem que jogar aquilo é perda de tempo.
Mais no fim também é muito questão de gosto. Vai entender o ser humano.
A proposito acho que esse post poderia ser movido paro o tópico Cultura e Conhecimento dos Games creio que ficaria melhor alocado lá.
avatar 
MrLinx

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por Sir Greg em 07/06/12, 01:00 am

Um belo texto sem dúvida!!

Da mesma maneira que um filme, uma música, um programa de televisão podem entreter um individuo de maneira que o mesmo torne-se um apreciador assíduo, o game também tem esse atributo.

Mas infelizmente existem os preconceituosos de plantão que fazem questão de tachar a diversão como coisa fútil. De certa maneira e por menor que possa ser, também temos certo preconceito em relação a determinado item. Porém, não será por isso que vamos sair por ai esculachando o primeiro indivíduo adepto dessa cultura só porque ele a pratica, como certas emissoras de TV costumam fazer só pra difamar a cultura em sí. Afinal de contas, ele aprecia a cultura dele tanto quanto apreciamos a nossa.

Sem dúvida, algo para pensar como jogador e como pessoa.

avatar 
Sir Greg

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por hawk666 em 12/06/12, 04:07 am

Obrigado, pessoal! =D

Texto velho, mas ainda assim atual, infelizmente. Espero que um dia jogar videogame seja visto de forma tão comum quanto ouvir música ou ver um filme.
avatar 
hawk666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por Saint Rafael em 12/06/12, 11:14 pm

Verdade.

Nós,"nerds",também somos mortais.
Só porque gostamos muito de videogame,não quer dizer que nós não gostamos de outras coisas.Mulher,trabalho,estudo ou qualquer atividade física.
O mundo é livre.

De acordo com o Chaves: "Cada um pensa naquilo que lhe faz falta!" - Se você sente falta de alguma coisa ou alguém,apenas vá atrás sem se deprimir. smartass

Porra!Virei poeta hoje!
avatar 
Saint Rafael

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Games: Cultura, arte e perda de tempo

Mensagem por Conteúdo patrocinado

 
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum