Dark Souls

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[PS3/X360] Dark Souls

Mensagem por Wiseman em 08/05/12, 02:53 pm


Plataforma: PS3 e X-Box 360
Players: 1 (Multiplayer Online comporta 3 jogadores no coop e 1 invasor / 2 jogador no coop e 2 invasores/ single e 3 invasores)
Desenvolvedora: From Software
Publisher:Namco Bandai
Gênero: Action Role-Playing Game no estilo Dungeon Crawler
Data do Lançamento Americano: 04/10/2011


Um pouco sobre o retrospecto da Série Souls

From Software é uma desenvolvedora japonesa de games fundada em Novembro de 1986. É conhecida pelos jogos da série Armored Core, Tenchu, King's Field e Otogi.

King's Field é um Action-RPG em primeira pessoa no estilo dungeon crawler lançado para PSone, com forte influência dos RPG ocidentais. O nível de dificuldade para a época era elevado e o gameplay consistia em combates em primeira pessoa, muita exploração pelos cenários 3D (novidade na época) e a resolução de puzzles necessários para a progressão. Foi o primeiro RPG para o PSone, lançado 13 dias após o lançamento do console da Sony.

A crítica japonesa enalteceu o jogo e vendeu bem. Então King's Field tornou-se uma série na qual foram lançados 4 títulos no total, havendo também spin-offs.

Com o advento do PS3, a From Software produziu o game que é considerado o sucessor espiritual da série King's Field, denominado Demon's Souls, com a colaboração da Sony Computer Entertainment Japan Studio. Demon's Souls, diferente dos jogos da série King's Field é um Action RPG em terceira pessoa no estilo dungeon crawler.

Para aqueles que se aventuraram no mundo caótico e demoníaco de Demon's Souls, notaram as evidentes influências dos games da aclamada série Diablo, feitos pela Blizzard, uma renomada desenvolvedora ocidental de RPGs.

Demon's Souls, de acordo com o levantamento do site VGChartz, vendeu no Japão 313.269 unidades, alcançando um relativo sucesso. Todavia, a Sony Computer Entertainment, que colaborou com a produção do jogo, desacreditou que valesse a pena o lançamento ocidental, pois, em razão da elevada dificuldade, não pensavam que o game agradaria o gosto do jogador ocidental.

A Atlus, uma empresa conhecida pelos jogos de RPG da série Shin Megami Tensei e também publisher de games tais como Odin Sphere (PS2 - Vanillaware), decidiu localizar Demon's Souls nos USA.

A crítica ocidental aclamou Demon's Souls como uma experiência única de um Action-RPG hardcore com um sistema multiplayer online inovador e excelente jogabilidade. Apesar das vendas iniciais não terem sido grandes, o boca a boca daqueles que jogaram e as discussões em fóruns de videogame, fizeram com que Demon's Souls alcançasse 798.604 unidades vendidas até hoje nos USA. Na Europa, Demon's Souls vendeu 244.135, totalizando as vendas nos três continentes em 1.359.005 unidades.

Com esse retumbante sucesso, a Sony Computer Entertainment reconheceu que cometeu um erro ao não ter acreditado que o lançamento de Demon's Souls seria viável no ocidente.

Em 2010, a From Software anunciou o Project Dark, no qual Hidetaka Miyazaki, produtor e diretor, suscitou que esse seria agora o sucessor espiritual de Demon's Souls. Contudo, agora a From Software decidiu produzir o jogo sem a colaboração da Sony Computer Entertainment.

Os fãs ocidentais de Demon's Souls aclamaram o projeto e esperaram ansiosamente até o lançamento do game que agora é conhecido como Dark Souls.


Prepare-se para morrer com estilo! Por várias e várias vezes!



Enredo

Assim como Demon's Souls, o foco de Dark Souls não está no desenvolvimento de um enredo complexo, com várias cut-scenes, como nos demais Japanese RPGs no mercado. Se você apenas procura por um enredo nesses moldes em um RPG, há grandes chances de você não gostar dos jogos da série Souls.

Dark Souls tem um enredo simples, objetivo, sucinto, sobre a situação na qual seu personagem se encontra. Também é brevemente explanado na introdução do game sobre o objetivo a ser perseguido. Durante a progressão do jogo haverão poucos diálogos com os NPCs. Basicamente eles explanam a situação que se encontram e dão orientações sobre áreas a serem visitadas. Alguns também oferecem auxílio, vendendo mercadorias e ensinando miracles, magias e pyromancies em troca de souls (almas).

Para os mais desatentos, parecerá que o jogo não tem quase nenhuma estória e pouco background. Todavia, para aqueles jogadores que procuraram ler as descrições dos itens, armas, armaduras e escudos, encontrarão um rico background, no qual você fará várias associações dessas informações com os diálogos proporcionados pelos NPCs, em alguns eventos que muitas vezes são específicos, ou seja, que são ativados se cumpridos certos requisitos.

Assim, o enredo é simples, mas tem um background volumoso, que não está gratuito aos mais desatentos.



No início dos tempos haviam apenas as trevas. Com as trevas veio o fogo. Com o fogo veio a vida e luz. Assim como veio a morte.

Nesse período remoto reinavam os Dragões.

Algumas entidades, descontentes com o domínio dos Dragões, decidiram enfrentá-los para obter a First Flame.

Lord Gwyn, um poderoso Rei, detentor de poderes divinos, acompanhado de seus fiéis cavaleiros.

O primeiro dos Undeads, Gravelord Nito.

Os 4 Grandes Reis da cidade de New Londo que foram corrompidos pelo mal e desejavam espalhar o terror pelo mundo, através de seus servos, os Darkwraiths.

E as Bruxas do Caos de Izalith, detentoras da arte do fogo, a Piromancia.

Essas entidades lutaram contra os Dragões. E com a ajuda de Seath the Scaleless, um Dragão sem escamas, traidor de seus pares, eles derrotaram os Dragões para obter a First Flame.

Com isso, veio a maldição do Dark Sign. Um estigma que infecta algumas pessoas, fazendo com que mesmo que elas morressem, retornariam do mundo dos mortos, tornando-se Undeads. O Dark Sign liga os Undeads aos Bonfires, fazendo com que revivam sempre que morrem. Contudo, cada vez que morrem, cada vez mais perdem a sanidade, tornando-se em Hollows.

Assim os Undeads são levados para o Norte para serem aprisionados em um Asilo, a fim de que aguardem o julgamento no fim do mundo.

Há uma profecia desde os tempos antigos, de que um Undead conseguirá escapar desse Asilo e fará uma peregrinação, que mudará o destino de todos.




Gráficos

Dark Souls utiliza a PhyreEngine da Sony Computer Entertainment no PS3.

Os gráficos de Dark Souls estão longe de ser um primor se comparados com jogos como Rage, Uncharted 3 ou Batman: Arkham City.

Algumas regiões do game são muito bem trabalhadas, detalhadas, como Anor Londo, Undead Parish, Undead Church e Duke's Archive. Contudo, em outras regiões é visível o contraste, a queda de qualidade nos cenários, como Darkroot Garden, Firelink Shrine e Darkroot Basin. Pode-se dizer que ambientes nos quais estão presentes construções, o jogo é mais polido. No entanto, em ambientes mais abertos, onde se encontra a natureza, é bastante perceptível que não houve o cuidado para que não houvesse a discrepância da qualidade entre as áreas.

O ponto alto nos gráficos de Dark Souls fica por conta da arte, do design dos inimigos e do level design. A física utilizada em Dark Souls é realista. É muito bem retratado colisões, quedas e movimentos de ação, sejam os de seu personagem, ou de adversários e NPCs.

Os adversários e bosses e mini-bosses possuem um design excelente. São intimidadores, alguns aterrorizantes, trazendo todo um clima de insegurança, receio e também de desespero e desolação.



O level design merece um destaque especial.

Antes do lançamento de Dark Souls, houve um reviewer do site 1UP.com que disse que a exploração de Dark Souls se assemelhava muito com o clássico Castlevania: Symphony of the Night. Seria como um Castlevania 3D, onde diferentes áreas com ambientes únicos, interligando-se entre si, de forma realmente surpreendente. Conforme você explorava os cenários nesse clássico, nunca se sabia quando se depararia com um boss na próxima tela, ou quão perto estaria um savepoint para restaurar seu HP e energia, como também para fazer o checkpoint e salvar o jogo.

Hoje, pode-se afirmar que esse reviewer estava mais do que certo em fazer alusão ao clássico da Konami. Dark Souls, com a arquitetura fenomenal entre as regiões, com as muitas interligações, proporciona um ambiente único, vasto para a exploração do jogador em uma rica diversidade. Algumas áreas são hostis, desoladoras e aumentam consideravelmente a dificuldade ao ter que se enfrentar inimigos em ambientes totalmente escuros, ou num pântano de veneno que prejudica sua mobilidade. O level design realmente proporciona uma excelente imersão em um mundo em decadência, assombrado pelo caos.

Um ponto muito negativo em Dark Souls é a notável queda de framerate em algumas regiões. Em Darkroot Garden, ao se deparar com os mortíferos Gatos-Panteras gigantes, verão a queda de framerate, dando a sensação de slowdown nos movimentos desses adversários e de seu personagem. Há em mais algumas áreas a queda do framerate. E um outro problema grave é na situação do multiplayer online. Se houverem além de você mais 3 jogadores em um mesmo mundo, certamente ocorrerá slowdowns, mesmo que sua conexão da internet seja boa.

Contudo, mesmo com esses contras, isso não tornará sua experiência de Dark Souls negativa. São apenas em alguns breves momentos que ocorrerão queda de framerate e slowdowns. E Dark Souls não deixa de surpreender, pois a arte, o design de inimigos e a magnitude do level design com uma gama de ambientações fantásticas são pontos tão altos que ofuscarão esses defeitos.



Som

O responsável pela trilha sonora de Dark Souls é o compositor japonês Motoi Sakuraba. Ele é conhecido por trilhas sonoras de diversos JRPGs tais como Valkyrie Profile e as séries Star Ocean e Tales of. Contudo, é de minha opinião que o trabalho na trilha sonora de Demon's Souls realizado por Shunsuke Kida, é superior ao de Sakuraba em Dark Souls. As músicas dos bosses de Demon's Souls, são mais impactantes, dão maior sensação de perigo, desespero e desolação.

Faço menção ao Battle Theme de Ornstein & Smough como a melhor música composta por Sakuraba.

Em relação ao Voice Act, temos realmente uma excelente interpretação dos dubladores bem como foi sábia a escolha nas vozes dos personagens. A sonoplastia é perfeita. Sons nos passos na água ou em um pântano venenoso. Ou de um corvo gigante próximo ao seu personagem. Os grunidos de Undeads já com sua sanidade esgotada, revelando-se Hollows. E no uso das poderosas chamas com o Pyromancy Flame.



Sobre a tão famigerada dificuldade de Dark Souls

Esse é um ponto que merece atenção, pois os reviews da crítica especializada e comentários de players frustrados construíram a fama de Dark Souls acerca de um elevadíssimo grau de dificuldade. E a própria publicidade de Dark Souls enaltece isso com a frase: "Prepare to Die!". Diz-se que é um game para o público hardcore. O jogo não tem easy e normal modes. Já estaria nivelado no hard mode.

Todavia, deve-se ponderar algumas coisas.

O predecessor de Demon's Souls é difícil e você morrerá diversas vezes? Sim, é difícil sim e pode ficar tranquilo que será punido com muitas mortes. Para alguns, a sensação de que o jogo odeia você, sua família, seus amigos e seu cachorro, é patente.

Dark Souls é difícil e morre-se com frequência? É difícil sim e o jogo, como o predecessor, te punirá por erros e pelo desconhecimento de padrões de inimigos, falta de habilidade exigida e de estratégias mal elaboradas.

Os dois jogos da série Souls são para masoquistas? Não, não são.



O que deve-se levar em conta primeiro sobre a série Souls é o gênero a qual ela pertence. A série Souls está inserida em RPG estilo Dungeon Crawler. A influência da série Diablo é patente.

Em Dark Souls, quando seu personagem morre, perde-se as souls (moeda corrente do jogo para tudo - level up e compra de todas as mercadorias) e as valiosas humanities. Você volta para o lugar que fez o checkpoint no bonfire, que é o local onde recupera HP, conserta armas, faz upgrade nelas e administra seu inventário. Mas como Diablo, o jogo te dá a chance de recuperar o loot que deixou, se conseguir voltar próximo ao local onde seu personagem morreu. Fica uma poça de sangue com uma névoa verde, como em Demon's Souls.

Caso morra antes de chegar nesse local, daí você perde tudo definitivamente. Mas sempre você consegue manter os drops que pegou e seus equipamentos. Há RPGs dungeon crawlers que não te permitem isso. Você perde tudo se morre uma única vez. Mas a série Souls te permite voltar e recuperar souls e humanities. Assim, podemos dizer que Dark Souls é um game voltado, principalmente, para jogadores que curtem Dungeon Crawlers. Se você não curte Dungeon Crawlers, a série Souls não é para o seu gosto. Pois há muitas batalhas difíceis, grind, farming e tudo que precise para seu personagem e sua habilidade sejam aperfeiçoados.

Mas não é apenas no aspecto do Dungeon Crawler que os jogadores gostam de Dark Souls. O maior mérito do jogo, está no gameplay, a jogabilidade durante as batalhas.

O segredo para superar Dark Souls, está em se conhecer muito bem a mecânica de dano e defesa e resistências. Assim como aperfeiçoar sua habilidade com o timing no uso de armas, escudos ou no chant de magias, piromancias e miracles. Também deve-se saber esquivar muito bem. Saber administrar o consumo de sua stamina. E conhecer bem os padrões do inimigos. É conhecendo e aprimorando tudo isso, que por tentativa e erro, mortes e mais mortes até aprender com seus erros, que você sobrevive e conquista Dark Souls.



Jogabilidade

Batalhas

Assim como em Demon's Souls, a maior qualidade de Dark Souls é a jogabilidade. E essa se resume na exploração por uma ampla gama de cenários e nas batalhas travadas. Além do aspecto Dungeon Crawler, Dark Souls se difere de Diablo pela ênfase na parte Action e não um mero point and click. Também é diferente de outros hack and slash.

Você pode equipar na mão esquerda, um escudo e uma arma secundária. Na mão direita também pode equipar uma arma principal e uma secundária. Como Diablo 2, você pode fazer o swap com o direcional para trocar rapidamente entre arma principal e secundária, durando essa troca 1 segundo.

Tanto na arma ou escudo equipado nas mãos esquerda e direta, há duas ação que poderão ser tomadas. Na mão esquerda se estiver usando um escudo, poderá bloquear golpe. A outra ação é fazer o parry com o escudo, abrindo a guarda do inimigo e fazendo o riposte, que dá um ataque critical, usando a arma na mão direta para penetrá-la no corpo do inimigo. Mas em Greatshields, devido o peso deles, a única segunda ação será o bash, que servirá para usar o grande escudo para dar o tranco no adversário. Na mão direita, usando uma arma, poderá dar o ataque dela normal, ou um ataque critical, que faz um movimento diferente com a arma, mas que geralmente tem um delay, dependendo do peso da arma e consome mais stamina.

Assim, a mecânica de Dark Souls dá bastante importância ao peso de armas, escudos e equipamentos, diferente de outros hack and slash. Isso afeta na esquiva e nos rolamentos que poderá fazer com seu personagem para evitar golpes.



Ações que exigem esforço físico, gastam stamina, que é a barra verde. Assim, se atacar com uma arma, defender golpes, correr, esquivar, pular, tudo isso gasta stamina. Seu personagem faz o recovery automático da stamina, assim que você cessa essas ações descritas. Essa forma de gameplay não permite combos infinitos e que se defenda, corra e se esquive indefinidamente.

Portanto, deve-se saber administrar o consumo de stamina. E dependendo do peso do equipamento que usa, demorará mais para haver o recovery total dela. Por isso, durante o level up, o qual você aumenta o atributo de seu personagem, deverá ponderar em aumentar o Endurance, para aumentar a sua stamina e o quanto de peso de equipamentos conseguirá carregar, sem sofrer penalidade no recovery rate.

Usar armas, escudos e equipamentos, também depende de seus atributos. Para usar uma arma mais pesada, certamente deverá cumprir o requisito de strengh exigido por ela. Caso opte por usá-la mesmo assim, haverá as penalidades, em consumir mais stamina e o movimento com a arma ser lento e desajeitado denotando grande esforço do seu personagem ao usá-la. Portanto, é importante também planejar seus parâmetros quando faz level up.

Dark Souls também exige que se conheça bem os padrões de inimigos. Assim, caso você desconheça o padrão de um boss, por exemplo, é certo que terá dificuldades e ocasionalmente seu personagem morrerá. Saber usar as melhores armas, escudos e equipamentos contra inimigos específicos e em determinados ambientes faz parte de toda a estratégia que o game exige. Ainda tem a questão do aprimoramento de sua habilidade, em acostumar-se com o timing correto da arma e de seus ataques, bem como saiba se esquivar corretamente.

E da mesma maneira que você aprimora seu personagem e sua habilidade, você aprimora suas armas, escudos e equipamentos. Essa é a parte de farm de ores (minérios) para melhorar tudo o que você usa. E o upgrade de seus equipamentos são tão importantes quanto level up.


Multiplayer Online

Dark Souls, assim como Demon's Souls, é um game completamente diferente se você usa a jogatina online.

Você poderá usar o modo cooperativo para invocar jogadores ou ser invocado (se tiver o item White Sign Soaptone, adquirido logo no começo do jogo), ganhando souls ao matar inimigos e se derrotar o chefe da área. Bem como, se tiver os itens necessários, poderá invadir para caçar outros players para adquirir souls e humanity. Todavia para fazer summons de outros players, você precisa estar vivo e os players deverão estar mortos, em forma de Hollow, sendo que quando são invocados estarão na forma de Phantoms.

Para invadir, você deverá estar vivo e usar itens específicos. Seu player invadirá o mundo de outro jogador e receberá o nome de Dark Spirit.



No modo cooperativo, você poderá invocar até 2 players para te ajudar. Assim só sobrará espaço para 1 player fazer a invasão, caso deseje. Mas se estiver sozinho, haverão três vagas para players Dark Spirits te invadirem.

O modo online não se limita somente a isso. Você poderá simplesmente duelar, desafiar outros players. Também poderá deixar mensagens no chão dando dicas ou enganando outros players. A cada mensagem recomendada, você ganha 1 humanity. O modo online, é excelente para fazer farming de souls e humanities, bem como te dá acesso a dicas que poderão te levar a localização de áreas escondidas com itens únicos e mini-bosses ou bosses.

O replay value do jogo aumenta muito com o modo online. Após ter sobrevivido ao desafio em finalizar Dark Souls, é interessante fazer um New Game Plus, pois todos os inimigos ficam mais difíceis, bem como poderá lutar contra players com equipamentos no último tier, testando suas habilidades.



Conclusão

Dark Souls é um game que será apreciado por quem curte Action-RPGs no estilo dungeon crawler. Também será apreciado por aqueles que curtem desafios e que gostam de testar suas habilidades, aprendendo através da tentativa e erro. É um game bastante complexo, mas extremamente competente ao que se propõe. Executa de forma surpreendente. Como sucessor espiritual do aclamado Demon's Souls, Dark Souls cumpriu as expectativas de seu público cativo, aperfeiçoando a jogabilidade e oferecendo um mundo caótico, decadente, desolador e incrível através da exploração de um level design magnífico. Agora, os fãs aguardam ansiosamente, ainda nessa geração, mais um game da série Souls da From Software, ou que adote jogabilidade parecida.

Prós
- Level Design Magnífico e Surpreendente
- Sistema de Batalhas complexo, inteligente e que privilegia habilidade e planejamento. É um aperfeiçoamento de Demon's Souls.
- Arte e Design de inimigos belos e diferenciados
- Física e sonoplastia ótimas, mas trilha sonora somente competente
- Online aumentando MUITO o Replay Value
- Aperfeiçoamento da IA dos inimigos comuns e mini-bosses se comparados a Demon's Souls

Contras
- Queda de Framerates em determinadas áreas (Blighttown por exemplo)
- Discrepância da qualidade visual entre áreas (com construções e áreas abertas)
- Bugs e Glitchs que antes do patch 1.05 permitiam cheat
avatar 
Wiseman

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por MrLinx em 08/05/12, 06:51 pm

Ótimo review! Razz Ta ai um game que estou ansioso para por a minhas mãos!
avatar 
MrLinx

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por djcoston em 08/05/12, 10:45 pm

Puta review foda cara, parabéns! Wink

Tem uma Review do hawk666 no jogador pensante desse jogo também!
avatar 
djcoston

Voltar ao Topo Ir em baixo

Dark Souls

Mensagem por hawk666 em 12/05/12, 09:19 pm



Nome:
Dark Souls
Produtora: From Software
Gênero: Action RPG
Plataforma(s): Playstation 3, Xbox 360
Versão analisada: Playstation 3



Alma negra


Dark Souls é o sucessor de Demon's Souls, o exclusivo do console HD da Sony que foi sucesso absoluto de crítica. Diferente do anterior, o jogo é agora multiplataforma, dando a oportunidade para os donos de Xbox 360 terem a mesma experiência.

Alma do jogo


Dark Souls adota uma proposta sombria e quase que completamente dedicado a gameplay "bruto", ou seja, sem firulas, sem automatizações, sem muitas cutscenes. Em troca, o jogador é jogado dentro de um fantástico universo, onde tudo conspira contra quem joga, desde inimigos a level design. Claro, no melhor sentido possível das palavras.

O jogo tecnicamente é bem decente, apresentando um trabalho quase ausente de serrilhados e com bom uso de iluminação, além de uma excelente sensação de peso/velocidade do personagem, dependendo dos equipamentos e/ou situações encontradas. Mas como todo trabalho humano, o jogo não está livre de defeitos, apresentando algumas péssimas texturas, fisica "borracha sem peso" esquisitíssima em cadáveres, quedas bruscas de framerate em algumas partes e inúmeros problemas de colisão - apesar desse último provavelmente ser proposital para não afetar o andamento do jogo (em especial a dificuldade dos chefes, que têm muitos golpes que atravessam paredes, por exemplo).

Artísticamente, não há muito o que comentar em Dark Souls, pois é simplesmente um dos trabalhos mais impressionantes dos últimos anos. Os detalhes das localidades, o design de equips e inimigos, a imensa variedade e contraste que o mundo do jogo apresenta, tudo trabalha em perfeita harmonia, contribuindo para criar uma ambientação sem igual que faz o jogador não só se envolver, mas se sentir dentro do jogo.

A trilha sonora do jogo também é outro destaque, todas orquestradas e com coral. O jogo basicamente se desenrola apenas com um excelente e detalhado som ambiente (o que é o ideal para o jogador poder se concentrar ao seu redor), mas são em certas localidades e em batalhas contra chefões que as belas, melancólicas e/ou desesperadoras melodias tocam para aumentar ainda mais a tensão e a adrenalina.

Traçando sua história


Dark Souls é um tanto diferente dos demais jogos da atualidade, dando atenção mínima em narrativa cinemática e apostando todas as fichas em background e ambientação. O resultado não poderia ser melhor, pois eis que é apresentado um jogo de puro gameplay, onde o jogador se sente dentro daquela armadura, enfrentando aqueles monstros, passando por aqueles perigos, se perdendo na imensidão do mundo e sentindo um alívio sem igual em fogueiras (os checkpoints do jogo). Jogadores que gostam de sentir emoções com histórias certamente não ficarão na mão, mas terão uma grande diferença - terão sensações diretamente ligadas ao aperto de botões.



Fogo, espada e o desconhecido


Dark Souls literalmente joga o jogador dentro de um enorme mundo para ser explorado livremente, na ordem que quiser e da forma que quiser, dependendo apenas de algumas chaves, de equipamentos e magias eficientes e, é claro, muita cautela, atenção e habilidade de quem joga.

Assim como seu antecessor, Dark Souls não perdoa no quesito dificuldade, pois é ausente de mamatas como muitos checkpoints, além do personagem morrer por qualquer descuido. O jogo castiga severamente quem joga de "qualquer jeito", pois até o mais básico inimigo pode aniquilar o pobre protagonista com poucos golpes bem investidos. Os inimigos inclusive possuem uma inteligência artificial bem decente para o gênero, pois, além de extremamente agressivos, não agem padronizados, se guiam por som, e alguns inclusive montam armadilhas e estratégias. Sendo assim. é preciso estudar e dominar as mecânicas de jogo, as dezenas de localidades e as centenas de inimigos se quiser prosseguir.

Apesar da dificuldade, o jogo "parabeniza" muito bem o jogador pelos seus feitos, seja com a aquisição de bons equipamentos e itens explorando os locais, seja com a aquisição de magias mais poderosas após juntar souls (a moeda universal do jogo, tanto para compras como para subir de nível), seja pelo prazer sem igual de matar aquele chefão após dezenas de tentativas.

O mais interessante dos chefões do jogo é que eles são, de alguma forma, referências aos chefões de Demon's Souls. Citando apenas nomes velhos pra não dar spoilers, é possível encontrar, por exemplo, um "Maneater 2.0", ou um "Flamelurker 15.0". É claro, lembram apenas em essência, pois as estratégias e aparências obviamente são diferentes.

O jogo não apresenta nenhum tipo de mapa. No lugar disso, o jogador deve por si só olhar a paisagem ao seu redor e ver onde quer, ou onde é preciso ir, pois praticamente tudo que é visível, é alcançável de alguma forma. Outro grande destaque fica por conta do world design, pois possui mapas genialmente bem elaborados, com caminhos alternativos, secretos e atalhos que se expandem e se iterligam, fazendo com que os escassos checkpoints sejam, no final, mais do que suficientes para a aventura.

O sistema de combate, se tratando de action RPG, é bem completo, com combos baseado em stamina, magias, defesa, esquiva, contra ataque e ataques à distância, além de ser mas mais puxado para o lado realista da coisa, pois o tamanho, tipo e peso das armas e equipamentos podem influenciar diretamente no desempenho do personagem, fazendo dele resistente, barulhento e pesado ou ágil o suficiente para passar despercebido e pegar inimigos de surpresa. O sistema de evolução também não deixa a desejar em questões de liberdade, pois cada level representa o aumento de um atributo específico, alguns deles inclusive necessários para certas magias ou armas. Cabe ao jogador adaptar seu personagem ao seu próprio estilo para ter o melhor desempenho possível e conseguir sobreviver perante os inúmeros perigos.

Infelizmente o jogo não é livre de alguns negativos. Insignificantes, mas existem. É possível notar alguns "scripts" nos inimigos, como animações de subir e descer escadas que os tornam invencíveis, alguns inimigos que por nada reagem enquanto o jogador não se aproxima o suficiente, ou até mesmo inimigos que deveriam ser randômicos aparecendo sempre no mesmo local, da mesma forma, por exemplo. São coisas um tanto estranhas para um jogo de mundo aberto e do calibre de Dark Souls, cuja atenção para coisas não-padronizadas e não-automáticas é enorme.

Amigos e inimigos


Em Dark Souls, o jogador nem sempre controla um personagem vivo. Basicamente, o protagonista é um morto-vivo, o que influencia em diversos recursos e mecânicas do jogo, em especial o modo online. Coletando itens chamados "Humanity", o personagem pode finalmente voltar à vida. Enquanto vivo, o jogador pode invadir o mundo dos outros ou ser invadido em seu mundo por outros jogadores e NPCs, onde o único objetivo desse evento é batalhar até a morte. Como humano, também é possível chamar NPCs e outros jogadores mortos-vivos como fantasmas para ajudarem em localidades perigosas e chefões ainda não derrotados. O jogo também apresenta um sistema de Covenants, o que equivale ao sistema de guildas de alguns jogos e modalidades de multiplayer de outros, com cada seita tendo seus benefícios, atividades, regras e punições específicas.

O modo online também oferece um sistema de comunidade e comunicação, e é claro, através de gameplay. Conectado, o jogador pode escrever mensagens e deixá-las para outros jogadores verem durante a jornada. O mais interessante disso é que o jogador precisa tomar cuidado até nesse tipo de sistema, pois uma dica pode tanto ser útil, como uma cilada para prejudicar o jogador. Além de mensagens, é possível ver vultos de outros jogadores andando pelo mundo e ver seus últimos momentos antes de alguma morte, tocando em poças de sangue pelo chão. Esse último também pode servir como dica de que armadilhas, tocaias e inimigos fortes estão por perto.

Dark Souls tem, certamente, um dos sistemas online mais bem planejados e estruturados da atualidade, que faz o jogador ser amigo, ajudante, inimigo, "NPC" ou até tutor, dependendo apenas do tipo de interação com seu próprio mundo e/ou o mundo dos outros.

Além do modo online, o jogador possui muita coisa para fazer no jogo, como explorar o mundo por passagens secretas, locais e chefes opcionais, caçando materiais raros derrubados por inimigos para forjar equipamentos únicos e poderosos e até mesmo encontrar NPCs escondidos para ver eventos ou poder comprar equipamentos e magias. O jogo também incentiva bastante o replay, pois possui mais de um final, além do fato de alguns itens derrubados por inimigos/personagens únicos não caírem com 100% de chances.

O tempo de duração do jogo depende completamente do jogador. Um jogador que gosta de explorar tudo e tem facilidade com o jogo pode terminar Dark Souls na mesma velocidade de alguém que se concentra apenas em chefões e não se dá muito bem com isso, por exemplo. Apesar dos pesares, se tirado uma média de horas, fica por volta de 50 na primeira vez.

Alma perfeita


Dark Souls não é simplesmente o melhor lançamento do ano, ou do gênero. É uma das melhores experiências que um jogador de videogame pode ter, um inimigo mortal de vida social e noites de sono. Há sim seus defeitos, mas são tão insignificantes perante o resultado final jogável, que não ignorá-los significaria uma ofensa a qualquer gamer. Exagero? Talvez no dia em que aparecer um jogo melhor, que faça despertar no jogador, através de gameplay, diversos sentimentos e sensações de forma ainda mais brilhante. Talvez Dark Souls 2.

Nota: 10



De Jogador Pensante
avatar 
hawk666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por Pedrohk em 15/05/12, 11:43 pm

Joguei apenas o inicio, mas digo. JOGAÇO.

GOTY para mim. E mais... O jogo mais dificil de todos os tempos.
avatar 
Pedrohk

Voltar ao Topo Ir em baixo

Dark Souls

Mensagem por Hazuki em 10/03/13, 12:57 pm

image


PlayStation 3


Desenvolvedora: FromSoftware | Publicadora: Namco Bandai Games


1 Jogador (mas possui um modo online capaz de permitir partidas multiplayers)


Lançamento: 4/10/11 (América do Norte)


Também para: Xbox 360 e PC 


Praise the sun


Dark Souls é reconhecido majoritariamente por sua dificuldade, e embora seja verídico que este é um elemento presente e destacado, isto é só um ponto que o compreende. Percorrer Lordran como um undead escolhido numa enorme construção interligada representa também um tipo de horror de sobrevivência graças aos vários momentos em que a luta para me manter vivo causara interno terror por não saber o que viria a encontrar a cada passo. Embora soe brando, o objetivo inicial de tocar dois sinos num recinto sombrio — e de enorme apelo medieval — tem uma trilha nada segura, tampouco doce. Não há um mapa com um ponto iluminado mostrando qual rota seguir, há na verdade uma “liberdade” em que o título deixa claro “vá, se estiver preparado”. O avanço em alguns momentos poderá ser barrado pela dependência duma chave, mas o maior dos seus problemas serão os obstáculos dotados de inteligência-ainda-que-artificial. Mesmo sendo uma obrigação não é árduo lembrar dos caminhos percorridos uma vez que a maioria são interligados por alguma passagem, elevador, escada. No início haverá muitas idas e vindas, rotas amargas e erroneamente escolhidas, todavia acredite quando digo que (muito) depois ao menos a questão de ter de atravessar tudo a pé dá uma amenizada considerável, diminuindo assim o backtracking que por muito é existente.


Antes de iniciarmos temos de escolher uma classe e personalizá-la na aparência, porém a verdade é que dada a distribuição de pontos em atributos e, enfim, a falta de algo mais significativo que crie a efetiva diferenciação, isso não é importante como em outros. Posso dar o exemplo do meu Ladrão que mesmo começando com um parâmetro particular entre atributos, no final do jogo mais estava para um Guerreiro dada a necessidade em ter de evoluí-lo com mais vitalidade do que inicialmente pretendia. Não houve e não há uma habilidade secreta, uma arma exclusiva ligada a profissão. Deixo também observado que além de preferência pessoal escolhi viver como ladino por este começar com uma Master Key, contudo tal item pode tanto ser conseguido no decorrer da jornada como escolhido como presente no início da aventura por demais profissões.


image
Ao menos os equipamentos iniciais são diferentes!

Essa falta de particularidades pesa negativamente por ser algo de indiferença na aventura, e aqui já fica a esperança de que a FromSoftware possa inverter esta realidade em Dark Souls II


Emoção seria uma palavra que brilha entre a escuridão e desespero, na angústia e dor que é ter de confrontar desde os primeiros minutos monstros que arrancam uma senhora quantia de hit points. E mediante a tal fato, grafado mais epicamente diante de embates importantes, ainda há a também realidade de que almas (que servem como experiência e dinheiro) e humanidade coletadas podem ser perdidas se você morrer. Tornar-se humano e inverter o tenebroso aspecto de hollow/undead tem regalias como maior resistência ou chance de fazer com que inimigos dropem um item; o valor de ter sempre em mãos uma humanidade é tanto que os Bonfires (ou checkpoints) só permitem aumentar a quantidade de Estus Flasks (poção para recuperar HP) caso esta sacrificada.


image
Abençoado seja o Bonfire!

Mesmo que traga mais uma visão frisando a dificuldade de Dark Souls,  quero deixar também que é uma passagem árdua porém com falhas. A inteligência artificial age estupidamente em muitos momentos, o que é estranho já que, mesmo buscando explorar tais brechas sempre que possível, não deixava de me deparar ao mesmo tempo com sua cruel irritabilidade. Não que queira sofrer mais, contudo se pretendem tornar a continuação algo ainda mais complicado é certeza de que neste aspecto terão de melhorar.


Jogar ligado à internet é algo totalmente opcional, mas confesso que os que não o fazem deixam de aproveitar um recurso bem vindo e voltado a comunidade. Todo jogador pode deixar mensagens no chão (através de palavras/frases pré-escolhidas) afim de orientar os demais sofredores, e isso foi de suma importância ao meu sucesso em vários momentos. Estas mesmas dicas, que podem ser classificadas positiva ou negativamente, podem abranger que tipo de ação tomar contra um inimigo, o que fazer para atravessar uma área, revelar uma passagem secreta, ou simplesmente pedir que se louve o Sol para que este clareie estradas escuras — figurativamente. Mesmo sendo apenas uma das possibilidades em rede é de longe a mais brilhante pela concreta utilidade.


image
Tenha medo

A mim a trama não se fixara. A razão pode ser na implícita falta de abordagem e tratativa costumeira, deixando, por exemplo, pedaços envolvendo as terras de Lordran nas mãos de NPCs e até mesmo itens. Ainda existem cutscenes e foi por elas que aprendi o básico, que era um undead diferente dos demais e que recebera a chance de escapar o infernal destino a mim concebido. Sabemos que RPGs memoráveis são lembrados por suas histórias e enquanto seja uma pena não ver explorada a narrativa e elementos deste mundo, que ainda assim consegue despertar interesse pelo que demonstra, o que foi focado, ou seja a jogabilidade, consegue gerar o entusiasmo suficiente para alcançar os créditos.


Muito do meu terror, medo e apreensão dou graças a qualidade gráfica. Alguns dos inimigos são bastante horrendos, bizarros. É claro que tudo isso em tamanhos gigantescos realça tal questão, mas não teria o que reclamar realmente. As representações de cenários também revelam locais que mesmo bonitos aguçam a curiosidade. A trilha sonora, de Motoi Sakuraba, é em suma relevante por montar o palco de confrontos maiores da forma que estes merecem.



Trailer europeu

Dark Souls é prazer na dor, contudo uma dor que mesmo existente está lá para ser contornada com uma determinação cuidadosa e atenciosa. Sigo o conceito de que este possa não ser para todos os gostos, mas o contesto pela enorme satisfação que ele consegue gerar. Foi um dos poucos títulos em que também me vi forçado a utilizar um detonado e guias.


Nunca imaginei que chegaria o dia em que me tornaria um adepto do sadomasoquismo.


+


avatar 
Hazuki

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por MrLinx em 26/03/13, 10:53 pm

Fundi o tópico do Hazuki com o tópico já existente que havia sido criado pelo Hawk. Wink
avatar 
MrLinx

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por Hazuki em 26/03/13, 11:06 pm

Ah foi mal, total desatenção minha. Não tinha visto, mas obrigado pela junção!


Última edição por Hazuki em 26/03/13, 11:11 pm, editado 2 vez(es)
avatar 
Hazuki

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por djcoston em 26/03/13, 11:09 pm

Hazuki, Só estamos juntando para reformar os índices! Wink
avatar 
djcoston

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por Hazuki em 26/03/13, 11:10 pm

Beleza! Wink
avatar 
Hazuki

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dark Souls

Mensagem por Conteúdo patrocinado

 
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum